33.2 C
Mato Grosso
sexta-feira, julho 19, 2024
spot_img
HomeNotíciasVídeo - Populares cavam obra em busca de ouro na MT-418 e...

Vídeo – Populares cavam obra em busca de ouro na MT-418 e acham material arqueológico


Moradores da cidade de Colniza (1.065 km a nordeste de Cuiabá) cavaram em uma obra em andamento na MT-418, antiga  BR-174, em busca de ouro e descobriram um sítio arqueológico indígena. Busca começou após rumores de que tinham encontrado o metal na região. Governo do Estado alega não haver riqueza ali e interditou o local. Secretaria de Estado de Segurança Pública, juntamente com Ministério Público, trabalham na remoção das pessoas do local.

Informações apurados apontam que, há cerca de duas semanas, os moradores da região começaram a escavação. No entanto, no lugar de ouro eles, acharam um sítio arqueológico indígena. Não foi informado o tipo de material foi encontrado. Área foi isolada pela fiscalização ambiental. 

Vídeos que circulam nas redes sociais, mostram várias pessoas nas imediações. Segundo informações, no local foram encontrados materiais de civilações antigas que viveram na região, mas não foi especificado que tipo. 

Segundo a Sesp, o Instituto do Patrimônio Histórico Artístico e Nacional (Iphan) foi acionado e que a pasta juntamente com o MP, trabalha para remoção dos envolvidos na escavação. Cabe destacar que a escavação no local é proibida. A Sesp não informou se as pessoas serão punidas.

Veja abaixo a nota da Sesp encaminhada para reportagem;

O Governo de Mato Grosso esclarece que não foi encontrado ouro nas margens da antiga BR-174, no município de Colniza. Durante as obras de construção da rodovia foi localizado um sítio arqueológico.

A Secretaria de Segurança Pública já está atuando, junto ao Ministério Público, para a remoção das pessoas que estão irregularmente no local, uma vez que a retirada de material de jazidas arqueológicas é considerada crime contra o patrimônio nacional.

O Iphan já foi acionado e a obra terá continuidade após liberação do Instituto.

A reportagem também tentou contato com o Iphan, mas não houve resposta.

Por Jolismar Bruno 

Noticias Relacionadas
- Advertisment -
Google search engine

Mais lidas