17.6 C
Mato Grosso
domingo, julho 21, 2024
spot_img
HomeGeralCom baixa adesão de professores, Sintep tem protesto esvaziado em Cuiabá

Com baixa adesão de professores, Sintep tem protesto esvaziado em Cuiabá

A manifestação que ocorre na Praça Ulisses Guimarães, na Avenida do CPA, em Cuiabá, tem número de manifestantes bem abaixo de protestos realizados em anos anteriores.

A Marcha Estadual dos Trabalhadores da Educação, organizada pelo Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep-MT), teve baixa adesão dos professores nesta quarta-feira (28). Mesmo com a participação dos pescadores, que protestam contra o projeto de lei, que proíbe a pesca predatória em todo o Estado por cinco anos, o sindicato não conseguiu reunir grande volume de manifestantes na Praça Ulisses Guimarães, na Avenida do CPA.

Das 668 unidades escolares de todo o Estado, somente 66 teriam aderido à paralisação, o que demonstra o não alinhamento da categoria com as lideranças sindicais.

Das 668 unidades escolares de todo o Estado, somente 66 teriam aderido à paralisação, o que demonstra o não alinhamento da categoria com as lideranças sindicais.

O governador Mauro Mendes (União), já havia manifestado descontentamento com a ideia de paralisação e deixou claro que os servidores que aderissem ao movimento teriam o ponto cortado, conforme estabeleceu decisão recente da Justiça.

“O Supremo Tribunal Federal já manifestou a esse sentido e nós aplicamos lá em 2019. Qualquer servidor que fizer greve é falta e corte de ponto, cabe ao sindicato entrar na Justiça e provar que aquele movimento é legal. Ponto. Isso não é uma decisão do governador Mauro Mende, isso é uma decisão do Supremo Tribunal Federal que já decidiu nesse sentido”, disse Mauro.

O secretário estadual de educação, Alan Porto, ressaltou que a pasta vive um bom momento no estado, com bons resultados e perspectiva de melhora real nos índices do Estado. Para ele, não faz sentido falar em paralisação e os mais prejudicados serão os alunos.

“Não faz sentido nenhum. Estamos com nossas políticas públicas a todo vapor para melhorar aprendizagem. Infelizmente quem vai ter prejuízo com esse dia de paralisação são os nossos 350 mil estudantes, que terão que repor esse dia de aula”, pontuou.

Do Repórter MT/Aparecido do Carmo e Thais Bemfica

Noticias Relacionadas
- Advertisment -
Google search engine

Mais lidas