25.9 C
Mato Grosso
segunda-feira, fevereiro 26, 2024
spot_img
HomeBem estarPediatras fazem alerta sobre efeitos dos games na saúde dos adolescentes

Pediatras fazem alerta sobre efeitos dos games na saúde dos adolescentes

Apesar do alerta, quando praticada de forma saudável a atividade também traz benefícios

Supervisionar o consumo dos jogos on-line e avaliar a maturidade do adolescente frente a essa prática são práticas indispensáveis que pais e responsáveis precisam adotar para extrair o potencial positivo do universo dos games. Essa é a recomendação expressa pela Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) no recém publicado documento científico “Adolescentes, Jogos Eletrônicos e Gaming Disorder”. Quando utilizados indiscriminadamente, explicam os especialistas, os jogos podem causar distúrbios do sono, inatividade física, transtornos de humor e até o Gaming Disorder, caracterizado como dependência de uso recorrente e persistente da internet para games.

Segundo os especialistas do Departamento de Medicina do Adolescente da SBP, responsáveis pela publicação, é fundamental entender que os instrumentos tecnológicos são, em princípio, “neutros”; e que adquirem significado “positivo ou negativo” conforme seu uso. “Esse conceito alerta para que não se assuma uma postura maniqueísta, apresentando jogos eletrônicos, mídias sociais e outros dispositivos eletrônicos sempre como vilões”, relata o texto.

“Fortalecer as conexões familiares é o caminho para tornar os jogos mais seguros. Isso é importante porque diversas vezes os filhos, principalmente os pré-adolescentes, não têm a capacidade de contextualizar o conteúdo de alguns jogos. Os adultos precisam ajudar, se fazendo presentes, para explicar o que são situações e representações fictícias em comparação com as expectativas sociais da vida real, ressaltando sempre a importância do respeito aos valores éticos”, recomendam os pediatras.

Existem benefícios da prática?

Diferentes pesquisas relacionam os jogos digitais com uma série de desfechos positivos: estímulo ao desenvolvimento cognitivo e motor; aprimoramento de habilidades sociais, como trabalho em equipe, liderança, negociação, comunicação e autossuperação; além dos sentimentos de satisfação e lazer oriundos do entretenimento. Também não há evidências de que os games, quando utilizados de forma adequada, afetem negativamente a proximidade familiar e o engajamento escolar.

E quais os perigos?

Entre as repercussões negativas, a mais recorrente é a diminuição da quantidade e da qualidade do sono em função do uso dos jogos durante a noite. “Jogar nesse horário está relacionado a uma diminuição do sono total e a alterações arquitetônicas no sono. Essa privação do sono, por sua vez, acarreta uma infinidade de outros efeitos indesejáveis à saúde, entre eles, diminuição do desempenho acadêmico, irritabilidade, transtornos de humor e inatividade física”, explica a publicação.

Outra questão central tem sido o estímulo dos jogos ao comportamento agressivo. Segundo a SBP, as evidências são suficientes para sugerir que, ao reproduzir vídeos violentos, os jogos podem contribuir para atitudes mais agressivas. No entanto, atribuir violência a videogames violentos não é um desfecho fechado em si e desvia a atenção de outros fatores, enraizados em nossa sociedade, que contribuem para a violência.

“Os games reúnem condições para o comportamento tóxico: o anonimato e o elemento competitivo, desenhado para que haja o desejo de vencer, de aniquilar o adversário. Num contexto de excitação dos jogadores, por vezes há gritos, xingamentos e desaforos. Em algumas comunidades, essa agressividade segue sendo um problema, bem como questões como machismo, racismo, homofobia e xenofobia”, ponderam.

Fonte: AGORA MT

Noticias Relacionadas
- Advertisment -
Google search engine

Mais lidas