21.8 C
Mato Grosso
sábado, abril 13, 2024
spot_img
HomeNotíciasGilmar Mendes vota contra proibição de usinas no rio Cuiabá

Gilmar Mendes vota contra proibição de usinas no rio Cuiabá

Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, abriu divergência no julgamento sobre a proibição de construção de usinas hidrelétricas (UHE) e Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) no rio Cuiabá. Ele votou pela inconstitucionalidade da lei estadual aprovada pela Assembleia Legislativa (ALMT). O voto é de terça-feira (2).               

Diferentemente do relator, ministro Edson Fachin, que negou a inconstitucionalidade da lei, Mendes afirma que os requerentes estão corretos ao afirmar que o legislador estadual criou norma sobre energia e águas, assunto de competência privativa da União.

“A lei mato-grossense, nesse sentido, ao proibir a construção de UHEs e PCHs, além de dispor sobre matéria de competência privativa da União, acabou por avocar indevidamente a capacidade de concessão de licenças do Poder Executivo Federal, que fica impossibilitado de deliberar sobre as questões ambientais e hidrelétricas no curso do Rio Cuiabá, que, como dito, é de domínio da União”, diz trecho do seu voto.  

Gilmar Mendes também rebateu os argumentos da Assembleia de que a Agência Nacional das Águas (ANA) teria sido omissa, já que em seus relatórios técnicos incluuem o rio Cuiabá. O Legislativo alegava que não havia estudo sobre o rio.

“Verifico, nesse sentido, que a Lei estadual, além de invadir competência privativa da União para legislar sobre águas e energia e dispor sobre os bens federais, também ocupou um espaço normativo que pertence à Agência Nacional de Águas, autarquia sob regime especial que detém capacidade técnica e legal para definir as condições para aproveitamentos hidrelétricos dos reservatórios do Rio Cuiabá”, afirmou.  

“Ante o exposto, divirjo do Eminente Relator e julgo procedente o pedido, declarando a inconstitucionalidade da Lei n. 11.865, de 30 de agosto 2022, do Estado de Mato Grosso”, finaliza o voto.   

A ação de inconstitucionalidade foi movida pela Associação Brasileira de Geração de Energia Limpa (Abragel) e a Confederação Nacional da Indústria (CNI) contra a lei aprovada pela Assembleia Legislativa. A lei de autoria do deputado estadual Wilson Santos (PSD) foi aprovada pela Assembleia no ano passado e vem gerando polêmica desde a sua discussão.

Após a aprovação, o governador Mauro Mendes (União) chegou a vetá-la sob alegação de que o dispositivo é inconstitucional por interferir em assunto cuja tratativa é de competência da União. Mesmo assim, os deputados estaduais derrubaram o veto por 20 votos sim e 3 contrários e promulgaram a lei. 

Com o voto, o julgamento fica em 1 a 1. O julgamento virtual está previsto para se encerrar no dia 8 de maio.

Por Pablo Rodrigo/GD-fOTO> Chico Mendes

Noticias Relacionadas
- Advertisment -
Google search engine

Mais lidas