32 C
Mato Grosso
sábado, dezembro 9, 2023
spot_img
HomeNacionalMato GrossoDesmatador doa 10 mil hectares para criação de parque em MT

Desmatador doa 10 mil hectares para criação de parque em MT

Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) assinado entre o Ministério Público de Mato Grosso (MP-MT) e o proprietário de uma área rural, que ficou conhecido como o “campeão do desmatamento” na Amazônia, prevê a doação de 10 mil hectares de vegetação nativa localizada, em Itiquira (357 km ao Sul de Cuiabá).

A área doada pelo fazendeiro Edio Nogueira será utilizada para criação do maior parque natural municipal do bioma Pantanal e o segundo maior da categoria no Brasil.

O acordo foi celebrado pelo promotor de Justiça Cludio Angelo Correa Gonzaga e os requeridos, representados por seus advogados, no dia 30 de junho passado, em solenidade realizada em uma escola pública rural localizada no Pantanal, na Fazenda Santo Antônio do Paraíso, a 136 km da sede da comarca de Itiquira.

Após a celebração do compromisso, a juíza Fernanda Mayumi Kobayashi, que também participou da solenidade, homologou o acordo, extinguindo a ação civil pública.

Na sequência, o prefeito de Itiquira, Fabiano Dalla Valle, assinou um decreto estabelecendo limitações administrativas na área dos 10.000 hectares e determinando a realização de estudos técnicos para a constituição da unidade de conservação.

Segundo o promotor Cláudio Angelo Correa Gonzaga, o acordo põe fim a uma ação civil pública movida contra Édio Nogueira e sua empresa, Agropecuária Rio da Areia.

O termo também estabelece uma indenização de R$ 5 milhões, a fim de garantir a criação e gestão da unidade de conservação, além da elaboração e execução de projeto de recuperação das áreas ilegalmente desmatadas e queimadas e o tamponamento dos drenos na propriedade.

Conforme o acordo, 50% da indenização deverão ser pagos em dinheiro e os outros R$ 2,5 milhões, mediante a aquisição e doação ao município de outra área de interesse ecológico, para a preservação neste valor ou doação de créditos de carbono certificados.

“Trata-se de um acordo benéfico para todas as partes, que colocou fim a uma demanda judicial complexa e que poderia se arrastar por mais de década até a efetivação do cumprimento de sentença. Com o acordo, os requeridos podem retomar e regularizar a atividade produtiva e o Pantanal ganhará mais uma unidade de conservação, um legado para as futuras gerações, para a conservação da biodiversidade e para mitigação das mudanças climáticas”, afirmou o promotor Cláudio Gonzaga.

Noticias Relacionadas
- Advertisment -
Google search engine

Mais lidas