22.2 C
Mato Grosso
segunda-feira, março 4, 2024
spot_img
HomeGeralViúva descobre que mulher com mesmo nome recebe pensão em seu lugar

Viúva descobre que mulher com mesmo nome recebe pensão em seu lugar

Mulher luta há dez anos para receber o benefício por morte do marido; INSS diz que caso é de ‘homônimas perfeitas’

Ao dar entrada para receber a pensão por morte do marido após ficar viúva,  Ângela Maria da Silva não conseguiu o benefício. Depois de dez anos e de várias tentativas, todas com o pedido negado, ela descobriu que uma pessoa com mesmo CPF e nome já estava recebendo a pensão em seu lugar. Ela procurou a ajuda de uma advogada, que encaminhou o caso à Justiça.

Para o INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), o problema pode ser caracterizado com  um caso de homônimas perfeitas.

O instituto explica que Ângela Maria, atualmente moradora de São João de Meriti, na Baixada Fluminense (RJ), tem o mesmo CPF cadastrado na Receita Federal de uma homônima que mora em Espera Feliz (MG). Ambas nascidas em Minas Gerais e têm em seus registros o mesmo nome de pai e mãe e data de nascimento, segundo cópia das CTPS (Carteiras de Trabalho e Previdência Social). 

Consta no cadastro da Ângela de Minas uma certidão de casamento em nome de Mario Silva Filho. A segurada recebe aposentadoria por invalidez, e não pensão por morte. Já a Ângela do Rio requereu pensão por morte em nome de Cleber Costa da Silva, que foi negado, porque nos registros consta o nome de Mario, como marido. 

“Isso ocorre que o CNIS (Cadastro Nacional de Informações Sociais), principal documento comprobatório de recolhimentos de registros trabalhistas para fins previdenciários, leva em conta o número do CPF e o NIT (Número de Identificação do Trabalhador) para juntar as informações do cidadão. Como ambas têm o mesmo CPF cadastrado na Receita Federal todas as informações foram aglutinadas em um mesmo registro pelo sistema”, afirma em INSS em nota.

A orientação do INSS é para que ambas procurem a Receita Federal para emissão de um novo CPF e posterior acerto de documentos. “Somente depois dessa medida, a Ângela, de São João de Meriti, poderá dar entrada em sua pensão por morte no INSS”, acrescentou o instituto.

Fonte: R7

Noticias Relacionadas
- Advertisment -
Google search engine

Mais lidas