33.2 C
Mato Grosso
sexta-feira, julho 19, 2024
spot_img
HomeSaúdeTudo que se sabe sobre o surto de febre maculosa

Tudo que se sabe sobre o surto de febre maculosa

Ao menos três pessoas morreram devido à doença após participar de um evento em uma fazenda em Campinas, no interior do estado

A morte de pelo menos três pessoas por causa da febre maculosa no estado de São Paulo é um dos assuntos mais comentados nos últimos dias; as autoridades sanitárias já consideram um surto da doença.

Neste texto, o R7 explica quem são as vítimas, por onde elas passaram antes de apresentar sintomas e outras informações importantes.

Quem são as pessoas que morreram pela doença?

O assunto ganhou repercussão após a morte de Douglas Pereira Costa, de 42 anos, e Mariana Giordano, de 36 anos. O casal faleceu poucos dias depois de ter sido internado com sintomas como febre, dores e manchas vermelhas pelo corpo.

Douglas era um empresário e piloto da categoria de automobilismo nacional C300 Cup. Já Mariana era dentista e foi o primeiro caso confirmado da doença. No dia seguinte, a Prefeitura de Jundiaí informou que o homem de 42 anos também tinha morrido de febre maculosa.

O terceiro caso é de uma jovem de 28 anos, moradora de Hortolândia. A dentista Evelyn Santos esteve no mesmo evento do qual participaram Douglas e Mariana. Todos morreram no dia 8 deste mês.

Uma quarta jovem — uma adolescente de 16 anos — morreu, nesta terça-feira (13), com suspeita da doença. Na tarde desta quarta-feira, o Devisa (Departamento de Vigilância Sanitária) de Campinas anunciou mais um suposto caso, uma mulher de 38 anos.

As cinco pessoas citadas anteriormente estiveram no mesmo local, quatro delas no dia 27 de maio.

No total, são 12 casos e seis mortes confirmadas por febre maculosa em São Paulo em 2023. No ano passado, foram 53 casos, que culminaram em 37 mortes.

Onde estas pessoas pegaram a febre maculosa?

Douglas, Mariana, Evelyn e as mulheres de 16 e 38 anos foram à fazenda Santa Margarida, no distrito de Joaquim Egídio. Esse é o local apontado como fonte do surto.

A Prefeitura de Campinas proibiu o espaço de receber novos eventos. “Os responsáveis pelo local foram notificados da importância da sinalização quanto ao risco da febre maculosa”, disse o Poder Executivo municipal.

A fazenda Santa Margarida, por sua vez, informou que “sempre agiu e age de acordo com todas as normas e exigências legais relacionadas à vigilância sanitária” e que mantém “um rigoroso processo de manutenção e cuidados em relação ao espaço e sua conservação”.

Quais eventos aconteceram na fazenda?

O grupo que morreu com febre maculosa estava no local na organização ou para participar da Feijoada do Rosa, evento tradicional de Campinas, que teve a 22ª edição realizada no dia 27 de maio.

De acordo com a organização, a festa era celebrada na fazenda Santa Margarida havia dez anos. “Reiteramos nossos profundos sentimentos”, publicou a página oficial da Feijoada do Rosa.

Já a mulher de 38 anos foi ao show do artista Seu Jorge, no dia 3 deste mês. Segundo autoridades do Devisa, é possível que pessoas que foram a esse evento possam manifestar os síntomas até 14 dias após o contato com o carrapato-estrela.

Estima-se que, no total, cerca de 14 mil pessoas passaram pela fazenda Santa Margarida nesses dois dias.

Posso pegar a febre maculosa de outra pessoa?

Segundo a Secretaria de Saúde de São Paulo, a doença não tem transmissão entre seres humanos. A febre maculosa pode ser contraída a partir da picada do carrapato-estrela, que costuma parasitar equinos e bovinos. O inseto também pode ser encontrado em gramados ou áreas de mata.

Em São Paulo, existem duas bactérias que podem causar a doença. O maior número de casos é registrado em Campinas e Piracicaba, no interior do estado. A Secretaria de Saúde alerta: o carrapato pode ser encontrado também em áreas periféricas da região metropolitana e no litoral paulista.

Os sintomas da febre maculosa são dor no corpo, desânimo, náuseas, vômito, diarreia e dor abdominal, além de febre.

Ações para o combate da doença em Campinas

Prefeitura de Campinas, por meio do Devisa, mobilizou uma série de ações pela cidade, com foco na fazenda Santa Margarida.

De acordo com o poder municipal, locais como o que sediou a Feijoada do Rosa devem informar, por meio de placas, os riscos da febre maculosa, já que Campinas é uma região endêmica para a doença.

Fonte: R7

Noticias Relacionadas
- Advertisment -
Google search engine

Mais lidas