28.3 C
Mato Grosso
quinta-feira, junho 20, 2024
spot_img
HomeAgronegócioDe água doce, tilápias encontradas no mar podem causar doenças e mortalidade...

De água doce, tilápias encontradas no mar podem causar doenças e mortalidade de peixes; entenda riscos

Espécie já foi encontrada em praias no litoral de Santa Catarina, Rio de Janeiro e Maranhão. Territorialistas e predadoras, tilápias podem causar a extinção de espécies marinhas menores.

O aparecimento de centenas de tilápias – peixes naturais de água doce – na costa marítima brasileira tem provocado preocupação entre especialistas em biologia marinha.

O fenômeno – registrado no litoral de Santa Catarina, Rio de Janeiro e Maranhão – virou alvo de pesquisa entre estudiosos de onze instituições brasileiras, que constataram que a espécie tilápia-do-nilo (Oreochromis niloticus) tem se adaptado ao ambiente marinho.

Vale ressaltar, porém, que a espécie tem ancestrais marinhos e, por isso, tolera um pequeno grau de salinidade – quantidade de sais presentes na água.

Sem precedentes, o surgimento da espécie nos oceanos pode provocar uma série de impactos ambientais negativos, explica o biólogo Jean Vitule, que contribuiu para o estudo publicado na revista científica Aquatic Ecology.

Alguns dos riscos são:

  •  Geração de novas doenças;
  •  Extinção de animais marinhos;
  •  Surgimento excessivo de algas;
  •  Tornar a água do mar imprópria para banho;
  •  Intoxicação através do consumo da carne.

Entenda os riscos

propagação de doenças, a partir dos dejetos e restos mortais liberados pelas tilápias na água, é uma das possíveis consequências.

“Não sabemos se elas são capazes de se reproduzir no mar e por quanto tempo sobrevivem neste ambiente, mas, temos consciência que a presença delas pode causar o surgimento de parasitas, doenças e outros problemas ecológicos que ainda não entendemos“, afirma Vitule, também coordenador do laboratório de Ecologia e Conservação da Universidade Federal do Paraná.

O material orgânico deixado pelos cardumes pode elevar as taxas de eutrofização – surgimento excessivo de algas – causando a intoxicação de outros animais marinhos.

Além disso, com a infestação de organismos tóxicos, a água do mar pode se tornar imprópria para banho, explicou biólogo.

“Não estamos decretando que esses problemas acontecerão, mas acendemos um alerta. É preciso identificar de onde elas vieram (…) e monitorar para antecipar ações e evitar consequências desastrosas”, ressalta.

O comportamento das tilápias também é outro agravante, segundo os pesquisadores. Territorialistas e predadoras, as tilápias comem de tudo e, portanto, a presença delas do mar pode se refletir na extinção de espécies marinhas menores, como camarões e corais.

“Estamos estudando também a ecotoxicologia das tilápias. Sabemos que elas são tolerantes fisiologicamente ao acúmulo de metais pesados na água. Ou seja, as pessoas podem consumir esses peixes e se expor a novas doenças”, completa Vitule.

Falta de monitoramento

Para o engenheiro agrônomo, o propósito do estudo é alertar sobre o fenômeno para que os órgãos de monitoramento e fiscalização identifiquem o que desencadeou a invasão de tilápias no mar. Dessa forma, ações preventivas podem ser realizadas, a fim de reduzir os impactos ambientais.

Apesar do estudo detectar que a presença da espécie na costa brasileira é maior em regiões onde há concentração de criadouros voltado à aquicultura , ainda não é possível afirmar que o fenômeno foi motivado por escapes e seleção natural (modificação da espécie para sobrevivência)”.

“O que não sabemos é de que sistema exatamente elas vieram e qual é a relação exatamente que essas tilápias – as que estão no mar – tem com a aquicultura, já que não temos um bom mapeamento da aquicultura no Brasil”, explica Ana Clara Sampaio Franco, uma das coordenadoras do estudo e pesquisadora da Universidade de Girona na Espanha.

Nesse contexto, o desafio em identificar o que motivou o fenômeno está ligado à falta de informações sobre as atividades aquícolas no Brasil.

“Chegamos à conclusão que não existe no Brasil uma base boa, unificada e atualizada de dados sobre as estruturas de aquicultura, as espécies que são cultivadas e onde são cultivadas em pequena e média escala. A ausência desse levantamento não nos permite traçar com exatidão as possibilidades de ocorrência da tilápia”, conta Ana Clara.

O g1 procurou o Ministério da Pesca e Aquicultura e a Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico para saber de que forma os órgãos monitoram as atividades aquícolas e se eles estão cientes sobre o aparecimento de tilápias em ambientes marinhos. No entanto, até a publicação desta matéria, nenhuma das instituições se manifestou.

Fonte: G1

Noticias Relacionadas
- Advertisment -
Google search engine

Mais lidas